D. A. de Biblioteconomia UFPE

A Web pode fazer a diferença

Esta semana – 14 a 21 de setembro de 2009 – estamos pedindo que as pessoas se movimentem e façam a diferença usando a Web para melhorar suas comunidades. Nós procuramos por pessoas que querem compartilhar, dar, criar e colaborar, oferecendo seu tempo e talento para organizações locais e pessoas que precisam de sua ajuda.

A Mozilla acredita que todo mundo deveria saber usar a Internet, ter fácil acesso a ela e ter uma boa experiência quando estiverem online. Usando os talentos de nossa comunidade para escrever, desenvolver, programar, desenhar e outras habilidades técnicas, nós acreditamos que podemos fazer a Web um lugar melhor para todos.

A comunidade Mozilla tem uma tradição de mudar o mundo – e a Web – de todas as formas interessantes. Quando membros de nossa comunidade decidem tomar ações, eles podem fazer uma séria diferença:

  • Ensine pessoas idosas a usar a internet.
  • Mostre a uma organização não-lucrativa como usar uma rede social para aumentar o seu número de colaboradores.
  • Ajude a instalar uma rede sem fios em sua escola.
  • Crie tutoriais na Web para um grupo de computadores de uma biblioteca.
  • Recicle hardware para uma central de computadores local.
  • Atualize o site de uma organização não-lucrativa.
  • Ensine os valores de uma Web aberta para outras organizações de benefício público.

O Mozilla Service Week está disponível em nove idiomas, as quais foram traduzidas e preparadas durante semanas por membros voluntários da comunidade Mozilla. O Mozilla Service Week se orgulha em ter uma longa lista de organizações não-lucrativas parceiras que ajudaram a criar um Service Week com sucesso.

Como ajudar??

Fonte: Mozilla Service

15 de Setembro de 2009 Posted by | Não classificado | | Deixe um comentário

Biblioteca de Olinda tem malabares, histórias e poesias

Na última sexta-feira (11), o projeto Olinda Ler Olinda animou a Biblioteca Pública da cidade com malabares, contação de histórias e poesias. A programação faz parte de um programa de incentivo à leitura que quer levar aos olindenses um conhecimento maior da cidade onde moram por meio de obras de autores locais.

A biblioteca está aberta de segunda a sexta-feira, das 9h às 19h e o acesso é gratuito. No lançamento, o público foi recepcionado por um animado grupo de circo que fez performances com malabares. Também teve diversas atividades como contação de histórias, jogral poético com apresentação de textos sobre Olinda e um momento musical, com a utilização de flauta e violão, entoado por crianças usuárias do espaço.
 
Durante as atividades, aconteceu ainda uma demonstração do Programa Inclusão Digital, uma iniciativa do Ministério da Ciência e Tecnologia com o apoio da Prefeitura de Olinda, que visa trazer mais informação e tecnologia ao público que freqüenta a biblioteca. O espaço disponibilizará aos usuários dez computadores conectados à Internet, diariamente, no período das 8h às 19h.
 
Outra novidade durante o evento foi o lançamento do projeto Horta-Escola, em parceria com o Governo do Estado. A iniciativa consiste na produção de uma horta no quintal da biblioteca.  Cerca de 30 jovens do Centro da Juventude, localizado no bairro de Aguazinha, estarão envolvidos na atividade. Engenheiros agrônomos e profissionais ligados à botânica farão o acompanhamento do trabalho.

SERVIÇO:

Olinda ler Olinda
Onde: Biblioteca Pública de Olinda – Avenida Liberdade, 100, Carmo
Aberto ao público.

Fonte: Pe360Graus

12 de Setembro de 2009 Posted by | Não classificado | | 2 comentários

Inauguração da 1ºBiblioteca comunitária Ler é preciso em penitenciária

Idealizada pelo Instituto Ecofuturo e executada em parceria com a Fundação de Amparo ao Preso (Funap), a Biblioteca Comunitária Ler é Preciso chega, pela primeira vez, a um presídio. Instalada na Penitenciária Dr. Eduardo Oliveira Vianna (P2), em Bauru, no interior de São Paulo, a Biblioteca – criada com o objetivo de legitimar e ampliar o direito do preso a ter acesso ao conhecimento produzido pela humanidade e presente nos livros – será inaugurada no dia 11 de setembro (sexta-feira), às 10 horas.

A criação da Biblioteca tem concepção e coordenação técnica do doutor em Lingüística Luiz Percival Leme Britto e conta com o apoio da Funap e da Secretaria de Administração Penitenciária do Estado de São Paulo. A Fundação Nelson Mandela, com sede na África do Sul, endossa o projeto no Brasil, contribuindo para que os participantes possam saber e pensar por intermédio da leitura.

Com esta ação, o Instituto Ecofuturo espera contribuir com a formulação de referências para a implantação de Bibliotecas em todos os presídios do País.

Fonte: Instituto Eco Futuro

10 de Setembro de 2009 Posted by | Não classificado | , | Deixe um comentário

Brochuras

Brochuras – Ações para os Sentidos
É uma proposta que faz uso da encadernação artesanal e da produção textual para incentivar, de forma lúdica, a leitura e o gosto pelo livro.
Este projeto foi vencedor do edital “Arte Por Onde Você Anda”, da Prefeitura Municipal de Curitiba, através do Fundo Municipal de Cultura.

Oficinas para Crianças
Incentivar a leitura e o pensar artístico através da prática da escrita e da construção artesanal de um livro, com crianças de 5 à 14 anos.

Oficinas para Idosos
Trabalhar elementos como as memórias e as lembranças para a produção de histórias e a construção artesanal de um livro, realizando assim, o resgate da identidade e da auto-estima.

Oficinas para Educadores
Técnica e prática para fomentar o uso do Projeto Brochuras como ferramenta lúdica de alfabetização e aprendizagem.

Fonte: http://virb.com/brochuras/

22 de Julho de 2009 Posted by | Não classificado | , | Deixe um comentário

Biblioteca viva

A PUC-Rio convida voluntários que queiram se tornar livros vivos para participarem da I Biblioteca Viva do Brasil, que será realizada durante a Mostra PUC, de 25 a 28 de agosto de 2009, no Campus Gávea. A Biblioteca Viva foi criada na Dinamarca pela ONG Stop the Violence e parte de uma ideia simples: pessoas que sofrem algum tipo de discriminação e preconceito viram livros vivos e contam suas histórias aos leitores durante os trinta minutos de “empréstimo”. O projeto foi trazido para a PUC-Rio pela professora Roberta Ziolli, do Departamento de Química. O objetivo é incentivar o respeito pelas diferenças e promover os direitos humanos, através da troca de experiências entre o livro vivo e o leitor, que encara os próprios preconceitos. Quem já participou de uma biblioteca viva garante que esta é uma experiência surpreendente. Os interessados em contar suas histórias como livros vivos devem procurar a organizadora da Biblioteca Camila Welikson, pelo telefone 3527-1824 ou através do e-mail camila@puc-rio.br. Os voluntários precisarão preencher uma ficha de inscrição e passarão por uma entrevista.

Fonte: O Globo / Amelia Gonzalez

21 de Julho de 2009 Posted by | Não classificado | | 1 Comentário