D. A. de Biblioteconomia UFPE

A bibliotecária e a “catalogação na fonte”

Livros, há de todos os tipos. Grandalhões, miúdos, com fotos e/ou ilustrações, ou os que trazem só palavras. Boa parte possui uma ficha, logo no começo, com nome do autor, título, ano e assunto. Graças a Regina Carneiro.
No Brasil, a ideia de que as obras deveriam sair das gráficas com essas informações, adotando-se assim o sistema de “catalogação na fonte”, partiu dela, nos anos 70.
Ex-professora de biblioteconomia da USP, foi também bibliotecária-chefe da CBL (Câmara Brasileira do Livro). Zanizer Chaves, hoje no mesmo cargo que Regina teve na câmara, lembra: “Ela descobriu que a biblioteca do Congresso, em Washington, usava um padrão e foi até lá ver como era”.
Regina foi a primeira a defender a “catalogação na fonte” para o mercado editorial brasileiro, facilitando a troca de informações sobre obras.
Como lembra o sobrinho Marcello, que herdou da tia uma coleção inteira de Machado de Assis, ela era uma “devoradora de livros”. Tinha uma queda por contos de autores ingleses.

Na última terça-feira (26/04) Regina deu entrada no hospital com início de pneumonia. Sofreu uma trombose e faleceu, aos 87 anos.

Fonte: Folha de São Paulo

30 de Abril de 2009 Posted by | Não classificado | | Deixe um comentário